Como curar-se da depressão

Talvez seja difícil encontrar uma pessoa que não tenha sofrido de depressão passageira. Mas há inúmeras pessoas que se afundam em depressão crônica. A depressão é uma desgraça porque a pessoa perde o ânimo, baixa as energias internas, sente-se combalida e sem forças. É como um pneu furado ou como um balão esvaziado.
Entre os sintomas mentais, sabe-se que a depressão produz falta de ânimo, insegurança, perda de incentivo para a vida, alheamento dentro de si, dificuldades de tomar decisões; a pessoa vê-se paralisada com medo do desempenho da concorrência, dos colegas, dos chefes; detesta o ambiente de trabalho, por imaginá-lo demasiado agitado; sem confiança em si, intranqüila; vê o seu dia-a-dia como uma sucessão sem sentido; sente-se vítima e acha que ninguém a compreende nem a valoriza; culpa os outros pela depressão; fica temerosa de tomar iniciativas; quer ficar isolada...
A causa da depressão é sempre mental, provocada pela reação psicológica negativa aos acontecimentos da vida, como fracasso no negócio, perda de um ente querido, decepção no amor, perda do emprego, brigas, desentendimentos, injustiças, assim por diante. O ódio, a inveja, a suspeita e o medo são pensamentos negativos que tendem a baixar a energia vital, ao passo que pensamentos positivos e cheios de amor aumentam a energia interna.
Se a causa da depressão está na mente, a cura processa-se quando são mudados os padrões mentais de pensamento.
A psicoterapia para a depressão - como a entendo - consiste em ajudar o paciente a criar uma resposta positiva aos seus males. A cura ocorre no momento em que a pessoa se torna positiva, alegre, cheia de vida, feliz, animada, iluminada pela fé na realização de seus ideais.
Se uma pessoa procura o tratamento da depressão em remédios para o organismo, está a considerar que a depressão é um mal físico. Na verdade, os problemas de saúde, que ocorrem no indivíduo deprimido, são conseqüências da depressão e não a causa. A depressão é um estado mental. Mas a causa deste estado mental pode até ser uma doença orgânica, isto é, o conhecimento de que está com cancro, ou com sida, ou com diabetes; como pode ser um fracasso nos negócios, o divórcio, a desavença com um irmão, a perda de um ente querido, uma injustiça sofrida, e assim por diante.
Não é, pois, o corpo que produz a depressão, mas a mente deprimida é que aflige o corpo, perturbando a harmonia das funções vitais, diminuindo as energias físicas, deteriorando as forças. O resultado é o corpo cansado, nervoso, abatido, fraco, com largas sensações de dor, prisão de ventre ou diarréia, taquicardias, tonturas, respiração irregular, perda do apetite, desinteresse sexual, insônia e outros males. O colapso da energia interna produzirá o colapso da energia externa.
Aqui eu quero apenas citar o psiquiatra Alexander Lowen: «Quanto mais eu pensava no problema da depressão, mais convencido me tornava de que a questão da fé era importante para a sua compreensão. No início, não tinha uma concepção definida do que seria fé. As pessoas pareciam ter muitas fés diferentes; contudo, apesar das diferenças, a pessoa com fé não fica deprimida. Enquanto a fé da pessoa for forte e ativa, manterá o movimento da vida, que é o que o indivíduo deprimido não consegue fazer. Fui forçado a chegar à conclusão de que o paciente deprimido é uma pessoa sem fé. Ele não pensa sobre si mesmo dessa maneira. Como psiquiatra, eu via-o como uma pessoa doente, alguém cujo funcionamento como ser humano está perturbado, tanto a nível psicológico como físico. Em qualquer caso, permanece verdadeiro que há uma relação íntima entre sua doença e a perda da fé.» (Do livro «O Corpo em Depressão»).
Há uma tendência bastante acentuada, entre as pessoas, para remoerem os seus males, contando-os a toda a gente. Às vezes, acontece como aquela piada do sujeito que foi ao analista, porque estava cheio de problemas. A vida dele era um rosário permanente de problemas. Da última vez que consultou o médico, disse, muito apreensivo:
- Olhe, senhor doutor, vim aqui porque devo estar com um problema muito sério.
- Qual é o seu problema?
- O meu problema é que agora não tenho nenhum problema. Isso não é normal.
Sempre que alguém ficar a repisar os seus males e dificuldades, seja aos amigos seja ao analista ou médico, estará a diminuir as suas energias vitais, porque a palavra produz a energia do conteúdo da palavra. Palavras, imagens e lembranças negativas produzem energias negativas, isto é, produzem menos energia positiva.
- Mas se revolver o passado não traz a cura, como se faz? -perguntará você.
A resposta já está dada pelo Dr. John Diamond: «A psicoterapia não é para ajudar o paciente a expulsar as suas emoções negativas, mas para o ajudar a transformá-las em positivas.»
Continua Diamond: «Pense apenas no seguinte: você pode passar anos na terapia e, sessão após sessão, o seu timo enfraquece porque você está a tratar continuadamente com o que
é negativo. Talvez você saia do tratamento com uma compreensão melhor dos seus problemas, porém, no fim, o resultado será uma diminuição de sua Energia Vital.

Mas - dirá você - a psicoterapia não é isso, discutir o que está mal para que possa ser aliviado?
«Sim, claro, mencione a todo custo o que está errado, mas não fique a discutir, a analisar, a remexer nisso. Exponha as suas emoções negativas e mude-as para positivas imediatamente, aqui e agora. Se proceder assim, você vai sair da sessão com um passo mais leve, com um sorriso no rosto».
E quanto ao fato de a pessoa estar, por outro lado, sempre a lamentar-se, ensinam os psiquiatras Frank Caprio e Joseph Berger que a pessoa deve dizer: «Recuso-me a ser dominado pelo sentimento de autopiedade. Lamentando-me, só farei com que as coisas piorem.»
Eu digo constantemente, nas palestras, que a cura da depressão não está no conhecimento das causas, mas na mudança dos padrões de pensamento e de sentimentos. Só nesse momento acontece a cura. Uma pessoa não fica curada da sua depressão porque descobriu a causa, mas porque mudou o seu estado mental. A cura está na mudança da mente.
- Mudar, como?
Pense alegria, felicidade, amor; imagine-se cheio de vida, iluminado positivamente. Ponha fé na sua mente e acredite que agora você é outra pessoa e a sua vida está cada dia melhor e melhor. Como o pensamento produz a realidade do seu conteúdo, agora a sua realidade é essa. Portanto, está curado.
Se ao contrário de amaldiçoar a sua escuridão, acender um fósforo, já haverá luz na sua mente. E luz é energia positiva.
 

Trecho do livro "Pode quem Pensa que Pode", de Lauro Trevisan